Retroviroses dos Felinos

As Retroviroses são as principais doenças infecciosas que acometem os gatos, jovens ou idosos e, que trazem graves consequências à saúde dos bichanos. São 2 os Retrovírus que acometem os felinos domésticos: o FIV e o FeLV.

Ambos os vírus não possuem caráter zoonótico, ou seja, não são transmitidos ao homem.

Amplamente disseminados na população de gatos, esses dois vírus provocam doenças crônicas e progressivas, muitas vezes silenciosas e, por isso são tão importantes.

O Vírus da Imunodeficiência Felina, FIV, é similar ao Vírus da Imunodeficiência Adquirida humano. Acredita-se que o comportamento de mordedura dos gatos seja a principal via de transmissão desse vírus, que é eliminado pela saliva dos animais infectados. Ocorre também a transmissão da mãe para os filhotes: no útero ou no momento do parto e, ainda através do leite.

O vírus se reproduz nas células de defesa, os linfócitos; provocando, inicialmente, doença branda, que se manifesta por febre, principalmente e, pode passar despercebida. Após um período sem sintomas, que pode variar de alguns meses a muitos anos, o gato volta a manifestar sinais, esse é o estágio de imunodeficiência da doença, semelhante à AIDS.

Os animais mais afetados são os machos, idosos (dado o caráter crônico da doença) e que possuem acesso à rua (o que facilita o envolvimento em brigas).

O Vírus da Leucemia Felina (FeLV) também é transmitido através da saliva e, de secreções nasais. Para este vírus, a principal via de transmissão é o compartilhamento de comedouros e bebedouros; bem como o comportamento de higiene corporal dos gatos (lamber-se).

Os animais mais afetados são os machos, jovens, que vivem em grupo (gatil, abrigo) e com acesso à rua. O vírus se multiplica no organismo e se instala na medula óssea, produzindo assim o quadro de leucemia que dá nome à doença. O FeLV  também é responsável por  provocar o aparecimento de neoplasias (câncer) e doenças degenerativas em diversos órgãos.

Em ambos os casos os sintomas apresentados pelos animais, são: apatia e anorexia, perda de peso, bem como sinais ligados ao comprometimento de sistemas orgânicos específicos (diarréia, doença renal, anemia, estomatite/gengivite, otite, alterações neurológicas e de comportamento, tumores variados). Os animais se tornam suscetíveis à infecções oportunistas por outros vírus e ainda, fungos, bactérias e protozoários.

O diagnóstico da doença se baseia nos sintomas apresentados pelo animal e na interpretação de exames. Por isso é fundamental procurar um médico veterinário: só ele pode avaliar o animal, solicitar os exames necessários e interpretá-los para realizar o diagnóstico definitivo e, tratar o animal.

Quanto antes o animal é diagnosticado com a doença melhor será o tratamento e menores as consequências à sua saúde e qualidade de vida.

A prevenção é a melhor solução! Para que seu gato não se torne portador de um desses vírus, ou de ambos, evite que ele saia de casa sozinho e assim se envolva em brigas; se você é tutor de mais de um gato, os bichanos devem ser alimentados em recipientes separados (água e comida) e, ter caixas de areia exclusivas. Caso adote ou compre um gatinho, procure um veterinário para avaliá-lo e testá-lo para a presença dos vírus, para evitar introduzir um animal doente em um grupo de animais saudáveis.

Para evitar maiores problemas para você e seu amigo peludo, faça visitas regulares ao veterinário, mantenha as vacinas atualizadas (anualmente) e siga as instruções dadas aqui ao adquirir um novo companheiro de quatro patas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVES, F.; REIS, J. K. P.; VIEIRA, F. O.; DEL PUERTO, H. L.; BRAZ, G. F.; RAJÃO, D. S.; MARTINS, A. S.; MAZUR, C.; LEITE, R. C. Retroviroses em felinos domésticos: um problema de saúde pública. Periódico Científico do Núcleo de Biociências do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.  Belo Horizonte, v. 01, n.02, 2011, p. 1-16.

LAPPIN, M. R. Doenças Virais Polissistêmicas. In: Medicina Interna de Pequenos Animais. NELSON, R. W.; COUTO, C.G. 4 ed, Editora Elsevier, 2009, p. 1336-1350.

MARÇOLA, T. G. Estudo da avaliação laboratorial e ocorrência da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Felina e co-infecções em felinos domésticos de diferentes localidades do Distrito Federal.  Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília. Brasília, 2011. Dissertação de Mestrado.

SOBRINHO, L. S. V.; VIDES, J. P.; BRAGA, E. T.; GOMES, A. A. D.; ROSSI, C. N.; MARCONDES, M. Sorofrequência do Vírus da Imunodeficiência Felina e do Vírus da Leucemia Felina em gatos de Araçatuba, São Paulo. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal  Science, São Paulo, v. 48, n. 5, p. 378-383, 2011.

Dra. Débora Fernandes
Médica Veterinária
Clínica Veterinária Guaipá, São Paulo-SP

Posted by
adgpiracicaba

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *